Após oito dias de duelo pelo Sul-Americano, celestes veem confiante adversário abrir 2 a 0, insuficiente para evitar a virada; liderança está garantido!

A confirmação da liderança da primeira fase da Superliga masculina de vôlei veio com três rodadas de antecipação para o Sada Cruzeiro, mas não foi nada fácil. O triunfo contra o Montes Claros, na noite desta quinta-feira (2), em Contagem, definida apenas em cinco sets (parciais de 22/25, 22/25, 25/21, 25/16 e 15/11), marcou o reencontro entre os elencos após oito dias.

Desta vez, pontuar foi mais difícil. Solto em quadra, lutando muito e parecendo não sentir os problemas físicos que o atrapalharam no continental, o MOC abriu 2 sets a 0, mas não contava com a superação celeste, sobretudo após a entrada de Leal, que começou no banco e foi escolhido o melhor em quadra. Parecia que a primeira derrota azul viria.

O 3 a 2 faz o Sada Cruzeiro se manter como único invicto entre na Superliga e chegar aos 55 pontos e 19 vitórias. A vantagem para o vice-líder Sesi-SP agora é de nove pontos. Ainda restam nove em disputa nas últimas três rodadas, mas não há mais possibilidade de alternância já que os cruzeirenses têm quatro triunfos a mais que o time paulistano.

Quando a recepção azul falhou em saques de Bob, MOC abriu 10 a 7 no primeiro set. O bloqueio também trabalhava bem e a manutenção do alto nível nesses dois fundamentos deu aos visitantes o triunfo, ainda que o Sada tenha reagido.

O equilíbrio foi maior no início da segunda parcial. O Sada Cruzeiro conseguiu abrir quatro pontos, mas ao ver o MOC reagir, Marcelo Mendez colocou Leal em quadra. Valente, Montes Claros ainda buscou o empate em 20 a 20 e aproveitou os equívocos azuis para repetir o 25 a 22.

Montes Claros, no terceiro set, viu os donos da casa impondo seu jogo, sem dar espaço nos momentos de definição. A situação foi parecida na quarta parcial, com alto nível de competitividade inicial, mas o Sada comandando as ações e abrindo vantagem após os ataques de Leal decidirem.

Segurar uma equipe com a intensidade azul e embalada por um bom momento se tornou impossível para o elenco montes-clarense no tie-break, ainda que dificultando ao máximo o trabalho cruzeirense. Defesa e contra-ataque decidiram.