O futebol apático do Cruzeiro voltou a dar as caras na noite desta quinta-feira, na Arena Condá. Apesar disso, o empate por 0 a 0 que o time de Mano Menezes segurou em Santa Catarina a duras penas, contra a Chapecoense, garantiu a equipe nas quartas de final da Copa do Brasil. No duelo de ida, a Raposa havia vencido o compromisso por 1 a 0, no Mineirão, o que confirmou o resultado positivo no placar agregado.

Depois do apito final, o clima esquentou na Arena Condá. Revoltados com algumas marcações de Péricles Bassols, os jogadores da Chapecoense partiram para cima do trio de juízes. O quarto árbitro Evandro Tiago deixou o campo com sangramento no rosto, possivelmente depois de ser atingido por algum objetivo jogado das arquibancadas. Enquanto isso, nos vestiários do estádio, a delegação catarinense se envolveu em discussão áspera com os cruzeirenses.

Como venceu o primeiro jogo da disputa, por 1 a 0, no Mineirão, o Cruzeiro entrou em campo precisando apenas do empate com a Chapecoense. Apesar disso, foi o time de Mano Menezes que começou propondo na Arena Condá. Nos primeiros 15 minutos, a Raposa chegou ao gol de Jandrei em pelo menos cinco oportunidades, ainda que sem levar muito perigo. Defensivamente, se postou em linhas próximas e mostrou atenção na marcação, impedindo qualquer tentativa de contra ataque da Chape.

O Cruzeiro agora volta suas atenções para a disputa do Campeonato Brasileiro, mas não muda o foco sobre o adversário. No próximo domingo, às 19h, a equipe de Mano Menezes recebe a mesma Chapecoense, no Mineirão. Os dois clubes dividem a liderança do torneio, ao lado do Corinthians, todas com sete pontos conquistados. Os catarinenses têm vantagem no saldo de gols.