Após o mago William e o cubano Leal reclamarem de dores leves nos dias que antecederam o maior clássico do voleibol atual, o técnico Marcelo Mendez preferiu polpar os dois jogadores sem nem mesmo escala-los para o confronto. Seria esta a oportunidade perfeita para o Sesi acabar com a invencibilidade do Cruzeiro na Superliga Masculina de Vôlei. Mas não foi o que aconteceu.

O jogo que se esperava de ambas as equipes, mesmo com o Sada Cruzeiro estando em quadra com seu time reserva, era um jogo de alto nível, aonde, claro, o Sesi estava em vantagem por ter em seu time completo jogando (a exceção do ponteiro Murilo). Mas com a somatória de 50 erros decorridos ao longo dapartida o Sada Cruzeiro (líder isolado da Superliga) em muitos momentos parecia brincar em quadra, querendo deixar o Sesi ganhar.

No entanto, mesmo com elenco desfalcado, o Cruzeiro ganhou de 3×0 contraum Sesi apático, aonde por mais que o campeão e herói Olímpico Serginho desse seu melhor (como sempre), o resto do time infelizmente não conseguia acompanhar seu desempenho. Será que o Sesi não cansa de ser o vice em tudo? Não basta ter em seu elenco 4 campeões olímpicos em quadra, para vencer precisa de mais.